O sabor da liberdade

O sabor da liberdade

O ser humano costuma nomear e contar aquilo que possui,
numa desesperada tentativa de ajuntar riquezas, prender
pessoas e sequestrar o tempo.
No entanto, há coisas que as nossas mãos não podem
tocar. A brisa que nos beija o rosto, o pôr do sol à
beira-mar, o calor do verão, o movimento da terra, o
tempo a passar…
Temos tanto ao nosso dispor, sem nada possuirmos…
Lembranças, momentos inesquecíveis, sonhos…
liberdade. E o segredo mora justamente no intocável,
naquilo que os nossos corações conhecem, mas os nossos
dedos não podem acariciar. E quão sublime é a certeza
de que tudo o que precisamos está simplesmente livre…
e não se pode aprisionar.
COMPARTILHAR